What do you think?:
Criminalization of Herpes ExposurePenalización del herpes señales de un giro hacia lo peor Criminalização do herpes sinais de uma guinada para pior

April 27 0 Comments Category: Health, News

Criminalization of herpes signals a turn for the worse

Man arrested and charged with aggravated sexual assault
Shawn Syms / National

First they came after people with HIV. Cops and courts may be starting to cast the net far wider now. If you have herpes, watch out.

The use of criminal law to police and punish sexual behaviour has been on the rise in the past year, with several high-profile cases where HIV-positive people faced charges based on allegations of “exposure without disclosure” — accused of having potentially risky sex with others without revealing their HIV status. Such claims are essentially impossible to scientifically prove, and no HIV need be transmitted in order to an allegation to lead to an arrest. A range of experts have pointed out that this dangerous trend does little to protect anyone. And it appears things may be about to take a turn for the worse.

Last month, Ottawa media outlets broke the news that a 33-year-old master corporal in the Canadian army was arrested in February after allegedly having sex with female partners without informing them that he had herpes. Military police claim the sex acts took place as far back as 2004. And to make things look even more unscrupulous, a report in the Ottawa Sun on Mar 18 announced that the soldier has now also been accused of possessing child pornography.

For all anyone knows, it may be a photo downloaded from the internet of a teen who appeared to be an adult. It would be no surprise to learn police had sifted through the accused’s computer — after all, they may have snooped through his email to round up as many past sex partners as they could find. The public may never know the full truth, but this coverage sends a pretty clear message: someone who has a sexually transmissible infection (STI) and has sex with multiple partners is an intrinsically bad person, so it’s no wonder they have “kiddie porn.”

Despite the lack of details, the newspapers had no compunction about publicly identifying the accused by publishing his name. This is a form of “trial by media,” says sex-criminalization expert Edwin Bernard, author of a forthcoming book on criminal sex charges. He points in particular to the Ottawa Sun headline “Child porn charge for herpes spreader”: “This suggests the accused is already guilty, when in the Canadian legal system people are assumed innocent until proven guilty.”

The charges — six counts of aggravated sexual assault and six counts of criminal negiligence causing bodily harm — are based on events that took place in Ontario. What does the provincial government have to say about herpes? “Herpes is a nuisance condition in adults,” according to the website of the Ontario Ministry of Health and Long Term Care, which adds that “most media stories about herpes are exaggerated.” Aggravated sexual assault is defined in the Criminal Code as something that “wounds, maims, disfigures or endangers the life of the complainant.” When applied to a common STI like herpes, this could be considered an exaggeration.

Criminal charges for STIs beyond HIV are not completely unprecedented, in Canada or internationally. There has been at least one successful case involving hepatitis B in Sweden, a hep C prosecution in Scotland and cases involving gonorrhea and hep B in England and Wales. And last month, a man was jailed in PEI for a hep B exposure conviction.

What are the implications of exposure-without-disclosure charges expanding from the realm of HIV to other STIs such as herpes? In the case of HIV, the problematic nature of these cases is obvious. HIV is comparatively difficult to transmit, and it’s completely possible and in fact commonplace for people with HIV to responsibly engage in protected/negligible-risk sex without having to tell anyone their personal medical information. Sex with a person with HIV is not intrinsically dangerous, but because of the vast amount of misinformation, discrimination and stigma surrounding HIV, people who disclose their status may be exposed to serious personal risk. And there is an increasing medical consensus that many HIV-positive people on successful medical treatment may not even be capable of transmitting HIV even in instances of unprotected sex.

But herpes is different. First, it’s far more common than HIV — which means many more people could potentially face charges. There were roughly 65,000 people with HIV across Canada in 2008, according to the Public Health Agency of Canada (PHAC). There are no official Canadian statistics on the number of people with herpes, because unlike other STIs such as gonorrhea, hepatitis C and syphilis, it isn’t even considered a reportable condition by public-health authorities. But the World Health Organization estimates that herpes affects over 500 million people around the world. Some US figures say the numbers there may be as many as 1 in 4 women and 1 in 5 men.

And herpes is much easier to transmit. As the College of Family Physicians of Canada notes on their website, “Genital herpes is spread easily. The virus from an infected person can enter your body by passing through a break in your skin or through the tender skin of your mouth, penis or vagina, urinary tract opening, cervix, or anus. Herpes is most easily spread when blisters or sores can be seen. But it can be spread at anytime, even when there aren’t any symptoms.”

So if you have an STI that’s not hard to pass on, shouldn’t you be as careful as you can? Yes, says legal expert Bernard. “Ethically, whenever someone is aware that they have an infectious disease, of course they have a responsibility to keep it to themselves.” Disclosure is only one of the ways to achieve that though, he says.

“But the personal ethics of disclosing an STI — whether it be herpes or HIV — is a totally separate issue from criminalizing non-disclosure,” he adds. “We may not like it when a partner exposes us to an STI and may morally object, but I would argue that complaining to the police is even more of an ethical wrong than not disclosing in the first place. This leads to a cycle of blame, media reports and further complaints that can only ultimately harm public health.”

It remains to be seen if increased prosecutions for herpes and other common STIs are the next wave of the Tories’ law-and-order agenda. But given how the entire line of thinking behind this punitive approach relies upon exploiting and reproducing sexual shame, we can probably safely assume there’s no risk of locking up people for spreading influenza, which kills far more people than herpes (which is generally not fatal except in infants).

When having an STI becomes criminalized, it discourages disclosure because once someone is identified they become a potential target, regardless of how responsible they may be. As the focus shifts from HIV to herpes, we’re no longer talking about tens of thousands of Canadians at risk of persecution, we’re talking about millions. Despite the Tories’ lust for “super-jails,” there just aren’t enough cells for all the possible lockups.

Imagine a world where the majority of people do everything they can to protect one another’s sexual health and prevent disease transmission, where sexual education is universal and guilt and fear are eradicated. Do you think prosecutions like these are the route to a world like that? Somehow, I don’t.

Also read Mr. Sym’s Criminalization of HIV entry.

Penalización del herpes señales de un giro hacia lo peor

El hombre detenido y acusado de asalto sexual agravado

Shawn Syms / Nacional

Primero vinieron después de las personas con VIH. Los policías y los tribunales podrían estar comenzando a lanzar la red mucho más amplia ahora. Si usted tiene herpes, tenga cuidado.

El uso del derecho penal a la policía y sancionar la conducta sexual ha ido en aumento en el último año, con varios casos de alto perfil en las personas VIH-positivas se enfrentan los cargos basados en las denuncias de “la exposición sin dar a conocer” – acusado de tener relaciones sexuales potencialmente riesgosos con los demás sin revelar su estado serológico. Tales afirmaciones son esencialmente imposible de demostrar científicamente, y no deberá ser transmitida el VIH con el fin de una denuncia al conducir a un arresto. Una serie de expertos han señalado que esta peligrosa tendencia hace poco para proteger a nadie. Y parece las cosas pueden estar a punto de tomar un giro para peor.

El mes pasado, los medios de comunicación de Ottawa puntos de ventadio la noticia de que un años de edad, maestro de 33 corporales en el ejército canadiense fue arrestado en febrero después de que supuestamente tener relaciones sexuales con parejas femeninas sin informar que había herpes. La policía militar reclamar los actos sexuales se llevó a cabo ya en 2004. Y para que las cosas se ven aún más sin escrúpulos, un informe en el Sol de Ottawa el 18 de Mar anunció que el soldado ha sido acusado de posesión de pornografía infantil.

Para lo único que se sabe, puede ser una imagen descargada de Internet de un adolescente que parecía ser un adulto. No sería una sorpresa saber policía había tamizado a través de la computadora del acusado – después de todo, es posible que pueda interceptar a través de su correo electrónico para redondear al alza como muchas parejas sexuales anteriores, ya que pude encontrar. El público nunca sepa toda la verdad, pero esta cobertura envía un mensaje muy claro: alguien que tiene una infección de transmisión sexual (ITS) y tiene relaciones sexuales con múltiples parejas es una persona intrínsecamente malo, así que no es de extrañar que tienen “pornografía infantil. “

A pesar de la falta de detalles, los periódicos no tenían reparo en identificar públicamente a los acusados por la publicación de su nombre. Esta es una forma de “juicio por los medios de comunicación”, dice el experto en sexo criminalización Edwin Bernard, autor de un libro de próxima publicación por cargos sexuales penal. Señala, en particular, el titular de Ottawa Sun “cargo de pornografía infantil para el herpes expansor”: “Esto sugiere que el acusado es ya culpable, cuando en el sistema legal canadiense personas que se supone inocente hasta que se demuestre su culpabilidad”.

Los cargos – de seis cargos de asalto sexual agravado y seis cargos de negiligence penal causar daño corporal – se basan en hechos que tuvieron lugar en Ontario. ¿Qué hace el gobierno provincial tiene que decir sobre el herpes? “El herpes es una condición molestias en los adultos”, según la página web del Ministerio de Salud de Ontario y de cuidado a largo plazo, que añade que “la mayoría de historias de los medios sobre el herpes son exageradas.” Asalto sexual con agravantes se define en el Código Penal como algo que “heridas, mutila, desfigura o ponga en peligro la vida de la demandante.” Cuando se aplica a una ITS comunes como el herpes, esto podría ser considerado una exageración.

Los cargos criminales más allá de las ITS VIH no son totalmente sin precedentes, en Canadá o internacional. Ha habido al menos un caso hayan tenido éxito en la hepatitis B en Suecia, un enjuiciamiento de la hepatitis C en Escocia y en los casos de gonorrea y la hepatitis B en Inglaterra y Gales. Y el mes pasado, un hombre fue encarcelado en un PEI para hepatitis B convicción de la exposición.

¿Cuáles son las implicaciones de las tasas de exposición-sin-divulgación expansión de la esfera del VIH a otras infecciones de transmisión sexual como el herpes? En el caso del VIH, la naturaleza problemática de estos casos es evidente. VIH es relativamente difícil de transmitir, y es completamente posible y en lugar común hecho para las personas con VIH a participar responsablemente en la protección / sexo insignificante riesgo sin tener que decirle a nadie su información médica personal. El sexo con una persona con VIH no es intrínsecamente peligroso, pero debido a la gran cantidad de desinformación, la discriminación y el estigma que rodea al VIH, las personas que revelen su estado pueden estar expuestos a riesgos graves. Y hay un creciente consenso médico que muchas personas VIH-positivas en el tratamiento médico con éxito puede incluso no ser capaz de transmitir el VIH, incluso en los casos de relaciones sexuales sin protección.

Pero el herpes es diferente.En primer lugar, es mucho más común que el VIH – lo que significa que muchas más personas podrían enfrentar cargos. Había unas 65.000 personas con el VIH a través de Canadá en 2008, según la Agencia de Salud Pública de Canadá (ASPC). No existen estadísticas oficiales canadienses sobre el número de personas con herpes, porque a diferencia de otras ITS como la gonorrea, la hepatitis C y sífilis, que ni siquiera se considera una condición reportable por las autoridades de salud pública. Sin embargo, la OMS estima que el herpes afecta a más de 500 millones de personas en todo el mundo. Algunas cifras de EE.UU. dicen que el número puede haber tantos como 1 de cada 4 mujeres y 1 de cada 5 hombres.

Y el herpes es mucho más fácil de transmitir. A medida que el Colegio de Médicos de Familia de Canadá observa en su página web, “El herpes genital se propaga fácilmente. El virus de una persona infectada puede entrar al cuerpo al pasar por una lesión en la piel oa través de la delicada piel de tu boca, el pene o la vagina, la apertura de las vías urinarias, el cuello uterino o el ano. El herpes se propaga con más facilidad cuando las ampollas o llagas se pueden ver. Pero se puede propagar en cualquier momento, incluso cuando no hay ningún síntoma. “

Así que si tienes una ITS que no es difícil de transmitir, no debe ser lo más cuidadoso posible? Sí, dice el jurista Bernard. “Éticamente, cada vez que alguien es consciente de que tienen una enfermedad infecciosa, por supuesto, tienen la responsabilidad de mantenerlo para sí mismos.” La revelación es sólo una de las maneras de lograr que, si bien, dice.

“Pero la ética personal de la divulgación de una ITS – ya sea el herpes o el VIH – es un asunto totalmente separado de la penalización de no divulgación”, añade. “Puede que no le gusta cuando un compañero nos expone a contraer una ITS y podrán oponerse moralmente, pero yo diría que quejarse a la policía es aún más de una ética equivocada que no revele, en primer lugar. Esto conduce a un ciclo de culpa, los informes de los medios de comunicación y las quejas, además, que en última instancia, sólo puede perjudicar a la salud pública “.

Queda por ver si los procesos aumento para el herpes y otras infecciones de transmisión sexual comunes son la próxima ola de la agenda de los tories ‘la ley y el orden.Pero dado lo que toda la línea de pensamiento detrás de este enfoque punitivo se basa en la explotación y reproducción de pudor sexual, probablemente podemos asumir con seguridad que no hay riesgo de encerrar a la gente para la difusión de la gripe, que mata a mucha más gente que el herpes (que generalmente no son fatales, salvo en los bebés).

Cuando tener una ITS se convierte en delincuentes, que disuade a la divulgación, porque una vez que alguien se identifica que se conviertan en un blanco potencial, independientemente del número de responsables que se encuentren. A medida que el foco cambia de VIH para el herpes, ya no estamos hablando de decenas de miles de canadienses en riesgo de persecución, estamos hablando de millones. A pesar de la lujuria de los tories de “super-cárceles”, simplemente no hay suficientes células para todos los bloqueos posibles.

Imagina un mundo donde la mayoría de la gente hace todo lo posible para protegerse unos a otros de salud sexual y prevenir la transmisión de la enfermedad, donde la educación sexual es universal y la culpabilidad y el miedo son erradicadas. ¿Cree usted que los procesos como éstos son el camino hacia un mundo como ese? De alguna manera, yo no.

Lea también el Sr. Sym de criminalización del VIH entrada.

Criminalização do herpes sinais de uma guinada para pior

O homem preso e acusado de agressão sexual

Syms Shawn / Nacional

Primeiro veio depois que as pessoas com HIV. A polícia e os tribunais podem estar começando a lançar a rede muito mais ampla agora. Se você tem herpes, seja cuidadoso.

O uso da lei criminal à polícia e punir o comportamento sexual tem aumentado ao longo do ano passado, com vários casos de perfil elevado de pessoas HIV-positivas são acusados com base em alegações de “exposição sem divulgação “- acusado de potencialmente arriscado manter relações sexuais com outros sem revelar o seu estado serológico. Tais alegações são essencialmente impossível provar cientificamente, e não deve ser transmitido o HIV a uma queixa de conduzir a uma prisão. Um certo número de especialistas têm apontadoesta tendência perigosa que faz pouco para proteger ninguém. E parece que as coisas podem estar prestes a tomar uma volta para o pior.

No mês passado, em Ottawa, a mídia estabelecimentos quebrou a notícia que um ano de idade, 33 master cabo do exército brasileiro foi preso em fevereiro, após alegadamente ter relações sexuais com parceiros do sexo feminino, sem informar-lhes que tinha herpes . Polícia Militar afirmam os atos sexuais ocorreram já em 2004. E as coisas são ainda mais sem escrúpulos, um relatório em Ottawa Sun Mar 18, anunciou que o soldado foi acusado de posse de pornografia infantil.

A única coisa que sabemos, pode ser baixado da internet uma foto de um adolescente que parecia ser um adulto.Não seria uma surpresa para aprender a polícia vasculhou o computador do acusado – afinal, você pode ser capaz de interceptar seu e-mail através de arrebanhar o maior número de parceiros sexuais anteriores, e eu poderia encontrar. O público nunca saberá a verdade inteira, mas esta cobertura envia uma mensagem clara: qualquer pessoa que tenha uma infecção sexualmente transmissível (DST) e tem relações sexuais com múltiplos parceiros é uma pessoa intrinsecamente má, por isso não admira que eles têm ” pornografia infantil. “

Apesar da falta de detalhes, os jornais não tiveram escrúpulos em identificar publicamente os acusados através da publicação de seu nome. Esta é uma forma de “julgamento pela mídia”, diz o especialista em sexo criminalização Edwin Bernard, autor de um livro sobre acusações criminais sexual. Observa, em particular, o titular de Ottawa Sun “taxa de pornografia infantil com herpes spreader”: “Isto sugere que o réu já é culpado, quando, no sistema legal brasileiro, que supostamente são inocentes até que se prove culpado.”

As acusações – seis acusações de agressão sexual e seis contagens de negiligence criminal causar lesões corporais – são baseados em acontecimentos que tiveram lugar em Ontario. O que o governo provincial tem a dizer sobre o herpes? “Herpes é uma condição incômodo em adultos”, segundo o site do Ministério da Saúde de Ontário e Cuidados de Longa Duração, acrescentando que “a maioria das histórias da mídia sobre herpes são exagerados.” Agressão sexual é definida no Código Penal como algo que “as feridas, mutila, deforma ou ponha em perigo a vida do autor.” Quando aplicado a uma DST, como herpes comum, poderia ser considerado um exagero.

As acusações criminais além do VIH DSTs não são inteiramente sem precedentes em Portugal e internacionalmente. Houve pelo menos um caso de sucesso na hepatite B, na Suécia, um estudo da hepatite C na Escócia e nos casos de gonorréia e hepatite B em Inglaterra e no País de Gales. E no mês passado, um homem foi preso em um IEP para a hepatite B convicção de exposição.

Quais são as implicações da expansão, sem taxas de exposição em campo de divulgação de HIV a outras infecções sexualmente transmissíveis como herpes? No caso do HIV, a natureza problemática desses casos é óbvia. HIV é relativamente difícil de transmitir, e é perfeitamente possível e até lugar comum para as pessoas com HIV para participar responsavelmente na defesa / sexo risco negligenciável sem contar a ninguém as suas informações pessoais de saúde. Sexo com uma pessoa com HIV não é inerentemente perigoso, mas por causa da grande quantidade de desinformação, a discriminação eo estigma em torno do HIV, aqueles que revelam o seu estado pode ser exposto a sérios riscos. E há um crescente consenso médico de que muitos seropositivos em tratamento médico bem-sucedido não pode mesmo ser capaz de transmitir o HIV, mesmo em casos de sexo desprotegido.

Mas, herpes é diferente.En primeiro lugar, é muito mais comum do HIV – o que significa que muito mais pessoas poderiam enfrentar acusações. Havia cerca de 65 anos.000 pessoas com HIV em todo o Canadá em 2008, de acordo com a Agência de Saúde Pública do Canadá (PHAC). Não existem estatísticas oficiais do Canadá sobre o número de pessoas com herpes, porque ao contrário de outras doenças sexualmente transmissíveis como gonorréia, hepatite C e sífilis, que nem sequer é considerada uma condição reportável para as autoridades de saúde pública. No entanto, a OMS estima que o herpes afeta mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo. Alguns números E.U. dizem que o número pode ser mais de 1 em cada 4 mulheres e 1 em cada 5 homens.

E herpes é muito mais fácil de transmitir. Como herpes, o Colégio de Médicos de Família do Canadá regista no seu website “Genital é transmitido facilmente. O vírus de uma pessoa infectada pode entrar no corpo, passando através de uma ruptura na pele ou através da pele delicada sua boca, pênis ou vagina, a abertura do trato urinário, colo do útero ou ânus. Herpes é mais facilmente transmitido quando bolhas ou feridas podem ser vistos. Mas ele pode se espalhar em qualquer momento, mesmo quando há sintomas. “

Então se você tem uma DST não é difícil de transmitir, a não ser o mais cuidadoso possível? Sim, diz o advogado Bernard. “Eticamente, cada vez que alguém tem conhecimento de terem uma doença infecciosa, é claro, têm a responsabilidade de manter para si próprios.” A revelação é a única maneira de conseguir isso, embora, diz ele.

“Mas a ética pessoal de divulgação de um STI – ou herpes ou HIV – é uma questão completamente separada da criminalização do sigilo”, acrescenta. “Nós não gostamos quando um parceiro nos expõe a uma DST e pode opor-se moralmente, mas eu diria que se queixam à polícia é ainda mais de uma ética que não dá errado, em primeiro lugar. Isto leva a um ciclo de culpa , os relatórios da imprensa e denúncias, além disso, em última instância, só pode prejudicar a saúde pública. “

Permanece ser visto se o aumento dos processos de herpes e outras infecções sexualmente transmissíveis comuns são a próxima onda da agenda dos Tories “lei e ordem.Mas dado que toda a linha de pensamento por trás dessa abordagem punitiva é baseado na exploração e reprodução da violência sexual, nós podemos seguramente assumir que provavelmente não há nenhum risco de trancar as pessoas para a propagação da gripe, que mata muito mais pessoas do herpes (que geralmente não é fatal, exceto em crianças).

Quando você tem uma DST se torna inadimplente, que desencoraja a divulgação, pois quando alguém for identificado a tornar-se um potencial alvo, independentemente de quantos eles são responsáveis. Como o foco do HIV de herpes, e não estamos falando de dezenas de milhares de canadenses em risco de perseguição, estamos a falar de milhões de pessoas. Apesar da cobiça dos conservadores de “super-prisões” células simplesmente não o suficiente para todos os blocos possíveis.

Imagine um mundo onde a maioria das pessoas fazem todo o possível para proteger a saúde de cada outro sexual e prevenção da transmissão da doença, onde a educação sexual é universal, culpa e medo são erradicados. Você acha que, como esses processos são o caminho para um mundo como esse?De alguma forma, eu não.

Veja também o Sr. Sym de criminalização do HIV entrada.

Write a Comment

Commenter Gravatar